sexta-feira, 12 de dezembro de 2008


Joaquim (o meu gato) se fosse um gajo, era a pessoa mais bem disposta e sempre com energia positiva para dar e vender, à face da terra. Tinha 3 ou 4 meses quando o encontrei na rua abandonado, com fome e encardido. Banho, 1 latinha de paté devorada em segundos, segunda latinha de paté devorada num piscar de olhos, e isto tudo com uma boa disposição de um lado para o outro, como se tivesse vivido toda a vida cá em casa. O Joaquim hoje tem 1 ano, é enorme, totalmente branquinho sem uma manchinha. Continua com apetite de alarvo, come como se não houvesse amanhã. Mesmo sem vontade, continua a comer como um urso pronto para ibernar. É hiperativo, corre nem ele sabe porquê o importante é correr. Só se concentra no granulado e, acreditem ou não, na ovelha choné, de tal forma que posso jurar sentir no olhar dele, que dava tudo para viver naquela quinta. Adora e é simpatico para todas as pessoas que entram lá em casa. Para ele é sempre festa e está sempre em alta, recebe bem todas as visitas, mesmo que seja o sr. que faz a contagem da luz ou o carteiro, tanto faz, para ele são todos meus amigos, se falasse diría "toca a entrar" ou "bebem alguma coisa?". A vida tem me trazido coisas tão simples, mas sempre boas e cheias de tudo o que preciso, e o Joaquim é uma delas.

3 comentários:

afoganso disse...

Parabéns ao Joaquim! Gato muito simpático sem dúvida!

Paulo disse...

Lucky cat!

Nuno disse...

Grande Gato, Grande Amigo, Grande Companhia... Belos momentos que ficarão sempre guardados na memória de um eterno grupo de amigos... Poucos, mas Bons... Tivemos, Estamos, e Estaremos la Sempre...