domingo, 8 de fevereiro de 2009

GEOCACHING




Excelente forma de iniciar um Domingo, sem duvida. Depois de uma noite em que o Tandoori soube muito bem, apesar de o molho picante estar muito fraquinho desta vez, o Tinto era bom, frutado e suave. A manhã estava chuvosa e com bastante nevoeiro, o que por si só já é motivo para desmotivar qualquer um a saltar da cama para uma Geocaching. Mas como somos uma dupla em que uma chuvinha não é motivo para desistir de coisíssima nenhuma, lá saltamos do quentinho e equipados e munidos de GPS lá fomos nós para a nossa primeira Geocaching na Serra de São Luís em Setúbal. Chegados ao ponto em que o GPS dava indicação do ponto exacto onde sairíamos da estrada de alcatrão para continuarmos apartir dalí em estrada de terra batida, sempre a subir, continuamos até ao ponto em que o caminho, dadas as condições instaveis em que se encontrava, não permitir a continuação de mota, dadas as probabilidades de atascamento nas crateras provocadas pela passagem de água das chuvas e nalguns pontos se tornar bastante perigoso a passagem com mota, continuarmos a pé era a solução. Empolgados pela descoberta da nossa primeira "cache", demos inicío à longa caminhada de 1500 m mais coisa menos coisa, sempre a subír. Primeira lição logo aos primeiros 100 metros : nunca partir para uma aventura deste género com equipamento para andar de mota, uma vez que só nas botas e blusão o peso é tanto que a caminhada transforma-se em peregrinação. No meu caso, concluí que calças para Ski não são de todo o mais aconselhado para este tipo de aventura. Nunca tive tanto calor em pleno Inverno. Apesar de tudo será importante dizer que somos uma dupla em que mantemos o sentido de humor sempre em alta e como ainda faltavam muitos 1000 e tal metros sempre a subír, achamos por bem perdermo-nos, aproveitando para tirar umas fotos à paisagem e afastarmo-nos cada vez mais do ponto a atingir. Tiradas as fotos, voltamos ao ponto exacto onde deveríamos ter continuado para o lado oposto e lá seguimos sempre a subír, com algumas paragens breves para rir muito e tirar fotos, (não excluí de todo a hipótese de continuar a caminhada de gatas). Segunda lição : aqui e já sem noção da altitude, enquanto o Afonso tirava fotos e orientava o nosso percurso, concluí que a água é fundamental a estas coisas, mas as pastilhas de mentol não são de todo más, na falta dela. Chegados ao topo e ao local a 392 metros de altitude, o objectivo agora era encontrar a caixa e deixar o nosso testemunho. Tarefa dificil e complicada na medida em que as condições climatéricas não eram as melhores e a altitude provocou-me ligeiras alucinações que me levaram a ver "caches" em tudo o que era arbusto. Como nunca me dou por vencida e tenho mau perder, nem que seja a feijões, estava quase a desistir, e, eis que o Afonso segue a sua intuição, já que a minha fica off apartir de uma certa altitude, e encontra a caixa. Momento que festejamos debaixo de chuva, e eu dei pulos de alegria como se fosse eu a encontra-la. Colocámos o nosso testemunho guardado dentro dela junto dos outros, colocando no mesmo sitio para que outros a encontrem tambem. Já com alguma fome iniciamos a descida de mãos dadas e sempre a rir felizes em perfeita sintonia nesta que foi a nossa primeira e bem sucedida Geocaching. Aqui o objectivo é encontrar a caixinha, como uma caça ao tesouro, mas principalmente a diversão que isto proporciona e claro, caminhar de mãos dadas com quem partilha connosco a mesma direcção na Vida, a mesma paisagem. Esse é o verdadeiro e mais precioso dos tesouros, o resto é geocaching lol. De volta à mota mais bonita do Mundo, nada como acabar esta aventura com um excelente almoço na praia do Portinho da Arrábida a saborear umas saborosas ameijoas junto ao Mar, onde o azul e verde se funde em perfeita harmonía com uma linda e unica VSTROM a completar a paisagem tornando este momento unico e perfeito.

2 comentários:

Insano disse...

Benvinda ao vício.... :)

luna disse...

é tão fixe ser-se assim! tu fazes-me lembrar que existem seres humanos bonitos! obrigada! :-)