quarta-feira, 8 de julho de 2015

Tardes sem fim

Continuo a gostar de ficar aqui assim a ouvir-te no vento, aqui precisamente onde um dia o tempo parou.

Sem comentários: